História das Alianças

Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (1)
História das Alianças

Muito se fala a respeito do papel das alianças na união entre duas pessoas, Qual a origem da aliança de casamento? Onde surgiu este hábito? no entanto, poucos sabem sobre a importância histórica dada a esse par precioso. Aliança é um anel usado para simbolizar um compromisso e a união afetiva entre duas pessoas, em noivados e cerimônias de casamento. Elas é que mostram, de maneira tátil e visível que uma pessoa é casada. É um símbolo de beleza, status e principalmente de orgulho para a vida do casal.

No início a aliança era tida como um certificado de propriedade da noiva, ou de compra da noiva, indicando que a mesma não estava mais disponível para outros pretendentes. A partir do século IX, a igreja cristã adaptou a aliança como um símbolo de união e fidelidade entre casais cristãos. Assim, por meio de um anel de forma circular, ou seja, sem começo nem fim representa-se a o amor contínuo entre o casal.

Os antigos egípcios, em 2.800 a.C., foram os pioneiros de um dos maiores símbolos do compromisso atual. Reza a lenda que o acessório circular – e portanto sem ponta, sem fim – foi a maneira encontrada pelos apaixonados egípcios para simbolizar o amor infinito e que deveria ser carregado para a vida toda. As  alianças tinham um significado sobrenatural, pois se acreditava que uniam o casal com amor eterno. E é desse povo que vem a teoria mais aceita para a origem da aliança como conhecemos hoje. Elas eram provindas do antigo costume egípcio de colocar no dedo da noiva um anel que substituía as moedas em tempos em que elas ainda não eram cunhadas. Com isso demonstrava-se que ela estava sendo adquirida através da riqueza do seu marido.

 

Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (7) Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (10)

A palavra “aliança” tem origem no latim alligare, e significa “compor”, “ligar-se a”. Outro termo para aliança (bérith no hebraico) possui o sentido de compromisso ou de pacto, o anel nupcial. Este significado também é encontrado em duas palavras gregas: diathéke e synthéke. E nas latinas: foedus e testamentum. O anel serve essencialmente para indicar um elo, o signo de uma aliança, de um voto, a ambivalência desse símbolo provém do fato de que o anel une e isola ao mesmo tempo.

Por si só, significa um acordo, um pacto entre duas partes. No contexto do casamento, as alianças celebram um acordo de cumplicidade, amor e fidelidade. Dessa maneira, esse simples objeto ganha um significado muito simbólico: representa um elo material entre duas pessoas emocionalmente envolvidas, as quais compartilham sonhos, alegrias e até mesmo os percalços da vida cotidiana.

Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (9) Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (6)

Aliança para os Gregos: Na Grécia,  as alianças de noivado e casamento eram usadas como selos e símbolos de posse e fortuna. Alguns deles serviam de chaves para os quartos onde os bens de um homem eram armazenados. No casamento, cópias delas eram dadas para as noivas, criando-se o costume de dar à esposa um anel. Sendo que esse não era dado na cerimônia, mas depois que a mulher fosse erguida sobre a entrada da casa. Presenteá-la com a chave demonstrava confiança e era um amuleto que reforçava que dali em diante eles dividiriam todas as suas posses. E o uso dos diamantes para alguns gregos, eles acreditavam que os diamantes eram estilhaços de estrelas que chegaram a Terra; outros, porém, criam até mesmo que essas pedras preciosas eram lágrimas dos deuses do Olímpio. Seja qual for a crença, nota-se que as alianças desempenham, nas mais diversas culturas, a importante função de simbolizar a união entre um casal.

Aliança para os Romanos: Alguns relatos dizem também que os romanos acreditavam que no quarto dedo da mão esquerda passava uma veia (veia d’amore) que estava diretamente ligada ao coração, por isso seria neste dedo que a aliança de casamento deveria ser usada.

Aliança para Judeus: Há historiadores que dizem que os judeus já usavam a aliança como forma de matrimonio muito antes de os cristãos começarem a usá-la em suas cerimônias. No começo, a aliança também servia como um certificado de propriedade. A aliança nada mais era do que um contrato que dizia que o noivo havia comprado a noiva. Ou seja, ela não estaria mais disponível para nenhum outro pretendente. E este termo aliança, bérith em hebraico, possui o sentido de compromisso. Na cultura judaica a função da ambivalência de unir e ao mesmo tempo isolar. No casamento judaico, as alianças são usadas no dedo indicador.

Aliança para os Cristãos: A partir do século IX a igreja cristã adotou a aliança como um símbolo de união e fidelidade entre casais cristãos. Nas lendas irlandesas, o anel serve como meio de reconhecimento, símbolo de uma força ou mesmo de um laço que nada pode romper. Na Inglaterra os documentos mais antigos falam de alianças núpcias feitas de ferro, aço, prata, cobre, bronze, couro e junco.

Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (3) Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (12) Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (2)

Em 1217 o bispo de Salisbury, Richard Poore, publicou uma lei proibindo a troca desses anéis sob o argumento de que “nenhum homem deveria se utilizar disso para seduzir jovens virgens, através de celebrações dissimuladas, pois ele pode não estar realmente preparado para o matrimônio”. Se o jovem colocasse o anel na noiva em presença de testemunhas e publicamente declarado que a teria como sua esposa, a lei e a igreja tomariam o casamento como uma união real.

O Papa Inocente III declarou que deveria haver um período de espera que deveria ser observado entre o pedido de casamento e a realização da cerimônia matrimonial. É por isso que hoje existe um anel de noivado e depois a aliança de casamento.

Após a guerra civil inglesa os puritanos pregaram contra o uso das alianças, alguns proibindo até seu o uso em casamentos. O anel era obviamente uma jóia e, por isso, um objeto diabólico.

Até o século XIII não havia aliança de noivado ou compromisso. Hoje em dia, a aliança tem quase o mesmo propósito. O que temos nas cerimônias atuais, é a perpetuação de todas essas tradições, que tem por fim, trazer bons fluídos aos noivos. Os casais usam alianças de noivado ou alianças de namoro para mostrar para a sociedade que não estão mais disponíveis para novos pretendentes.

Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (17) Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (4) Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (14) Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (15)

Existem três datas que o casal comemora de uma maneira especial:

Bodas de prata, 25 anos: quando, normalmente, o casal muda de alianças.

Nas bodas de ouro, 50 anos: normalmente o casal usa duas alianças conjugadas com diamante;

Bodas de Diamante, 75 anos: o casal usa brilhante maior nas alianças.

Hoje, as alianças de casamento deixaram de ser simples anéis e passaram a ser consideradas verdadeiras obras de arte. Os modelos, materiais, pedras utilizadas e formatos, deram a essa jóia, carregada de sentimentos e tradição, um poder de sedução e uma participação toda especial na cerimônia de casamento.

Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (16) Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (13)

TIPOS DE ALIANÇAS

  • Aliança de compromisso: É um anel de prata utilizado por namorados no Brasil para demonstrar fidelidade e seriedade do namoro. Demonstra que o namoro é sério, embora no momento ainda não tenham a intenção de se casar. São usadas no dedo anelar da mão direita na ocasião do noivado, substituídas pelas alianças de noivado.
  • Aliança de noivado: Hoje em dia poucos casais fiquem noivos, o anel em ouro é o mesmo do casamento e significa apenas maturidade no relacionamento e algum compromisso e é definido como o anúncio público de que duas pessoas pensam casar-se.  Usa-se no dedo anelar da mão direita significando compromisso. Normalmente, não deve demorar mais que um ano, período importante porque para os noivos se conhecerem melhor e verem se realmente se ajustam. É um teste antes do passo final.
  • Aliança de Casamento: Em ouro. No dia do casamento o noivo leva as duas alianças com ele (já polidas e com a data do casamento gravada) e estas serão trocadas durante a cerimônia. Após a cerimônia o noivo e a noiva passarão a usar as alianças no dedo anular da mão esquerda.

Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (11) Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (8) Capa Aliancas jundiai Leonardo Laprano Fotografia Jundiai-1 (18)

 

Fonte: http://www.reisman.com.br/historia-origem-das-aliancas-casamento-noivado.htm

Comments

comentários

Related Posts